“E impelido pela minha ávida vontade, imaginando poder contemplar a grande abundância de formas várias e estranhas criadas pela artificiosa natureza, enredado pelos sombrios rochedos cheguei à entrada de uma grande caverna, diante da qual permaneci tão estupefato quanto ignorante dessas coisas. Com as costas curvadas em arco, a mão cansada e firme sobre o joelho, procurei, com a mão direita, fazer sombra aos olhos comprimidos, curvando-me cá e lá, para ver se conseguia discernir alguma coisa lá dentro, o que me era impedido pela grande escuridão ali reinante. Assim permanecendo, subitamente brotaram em mim duas coisas: medo e desejo; medo da ameaçadora e escura caverna, desejo de poder contemplar lá dentro algo que fosse miraculoso"

Leonardo Da Vinci

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Você gosta de fotografias?

O site TerraSub nasceu há cerca de sete anos com a motivação tornar público relatórios de atividades de exploração e documentação de cavernas. Na época, essa foi uma ação em resposta a uma prática comum na espeleologia, onde os trabalhos realizados muitas vezes ficavam arquivados em gavetas. Sem acesso publico, acabavam perdidos com o tempo.

A partir de então, diversas atividades de campo foram sendo publicadas também neste site. Descobertas, mapas, relatos, fotografias e notícias sobre o tema ganharam espaço livre para leitura de qualquer pessoa. O histórico contempla relatos desde 2006 e pode ser acessado através de uma simples busca no acervo de assuntos – na barra lateral – ou em pesquisa direcionada através de caixa de texto.

Mas sabemos que além dos relatos, o TerraSub também agrupa um bom acervo fotográfico de cavernas. Entretanto, não é a ferramenta mais adequada para publicação de imagens devido as dificuldades de pesquisa e visualização e navegação.

Pensando nisto, acabei de colocar no ar um portfolio defotografias. O tema principal são as imagens de cavernas, mas também encontramos fotos de assuntos relacionados como viagens, pessoas, paisagens e natureza em geral. A maioria das imagens encontram-se também aqui no TerraSub acompanhadas de seus respectivos relatos, mas no portfolio fica muito mais fácil e gostoso de navegar.

Boa viagem!

Daniel


quarta-feira, 1 de abril de 2015

Defesa de dissertação de mestrado na FAUUSP: Atuação da arquitetura no uso público de cavernas



Apresentei no dia 24.02.2015 a dissertação de mestrado em Projeto de Arquitetura: Atuação da arquitetura no uso público de cavernas. Conceitos, métodos e estratégias para ocupação. Caverna do Diabo, SP.


A defesa ocorreu na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e contou com a banca examinadora composta pela orientadora arquiteta Anália Amorim (FAUUSP), pelo geólogo Paulo Boggiani (IGc-USP) e pela arquiteta Helena Ayoub (FAUUSP).
A pesquisa une as minhas trajetórias na espeleologia e na arquitetura e busca contribuir com a discussão do uso público de cavernas com a sua conservação. 

O estudo propõe o desenvolvimento de uma base conceitual e metodológica para subsidiar estratégias para atuação da arquitetura no uso público de cavernas, baseado na pesquisa em projeto de arquitetura e tendo como estudo de caso a Caverna do Diabo e São Paulo.
A dissertação pode ser acessada nos links abaixo.

https://drive.google.com/file/d/0B-lrq1MYDLiEYThzRzFuSU15MmM/view?usp=sharing

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Expedição Toca da Boa Vista - Janeiro de 2015

Em Janeiro de 2015 estivemos mais uma vez nas entranhas da maior caverna do Brasil: a Toca da Boa Vista.

A expedição, organizada pelo Grupo Bambuí de Pesquisas Expeleologicas, contou com 19 equipes, que em 9 dias topografou cerca de 4,3km de novas galerias. Além dos abismos e longínquos condutos do "Fim de Mundo" (área mais remota da caverna), também foram mapeadas conexões e condutos em aberto em diversos setores do mapa. 

O tamanho da TBV está crescendo e suas dificuldades também: As regiões com maior potencial de exploração na gruta encontram-se no "Fim de Mundo", a cerca de 2 a 3 horas de caminhada da entrada mais próxima. O calor sufocante (média de 33 graus) e a ausência de água pelo caminho faz com que os espeleólogos consumam de 3 a 6 Litros por pessoa por dia, exigindo uma verdadeira logística na administração da água carregada para dentro da gruta. Outro agravante é a morfologia: Em muitos condutos do "Fim de Mundo", as continuações se dão por níveis inferiores acessados através de abismos de 20 a 30m, o que exige o transporte de equipamentos extras e cuidado extremo.

Além da Boa Vista, as equipes também estiveram em outras cavernas da região - como Toca da Barriguda - onde foram delimitadas áreas de proteção e caminhamento a fim de proteger partes frágeis das cavernas.

Há mais de 20 anos o grupo Bambuí mantém trabalhos de exploração e mapeamento da Caverna Toca da Boa Vista, bem como outras cavidades da região. Com esta expedição, a TBV passa a ter 111km, aumentando sua distância entre outras cavernas Brasileiras.



                                            (Fotos: Daniel Menin - Toca da Boa Vista e Toca da Barriguda, 2015)













quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Fotografia da Gruta do Agenor é premiada em concurso do CNPq



A fotografia acima, da Sala de Verne na Caverna do Agenor em Iporanga ficou em terceiro lugar no IV Prêmio de Fotografia - Ciência & Arte organizado pelo CNPq na categoria Imagens produzidas por câmeras fotográficas: ambiente silvestre e antrópico.

A foto foi tirada durante uma expedição fotográfica para a caverna oito anos após a conclusão da sua topografia. O relato da viagem pode ser visto aqui: http://terrasubespeleo.blogspot.com.br/2014/06/caverna-do-agenor-retorno-cheio-de.html

Link para o site do prêmio e as demais premiadas: http://www.premiofotografia.cnpq.br/

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

In the house of gods, as mais antigas cavernas da Terra


O mercado da aventura geralmente produz filmes com personagens fictícios atuando em ambientes desafiadores como palco para histórias fantasiosas. Muitas vezes estes ambientes sequer existem e os personagens são atores pouco o quase nada familiarizados com os fins científicos ou as prática das atividades usadas na fantasia.

Um projeto em andamento promete exatamente o contrário: Criar um filme documentário sobre a exploração de cavernas em um dos mais remotos lugares do planeta: os Tepuys da Amazônia venezuelana. Equipes de espeleólogos e cameramans desde 2010 estão envolvidos em expedições nas montanhas de quartzito em meio à floresta. Desafiando a as difíceis condições de acesso eles captaram imagens em alta definição dos trabalhos científicos nas cavernas e fora delas. Filmagens aéreas, paisagens, escaladas, passagens estreitas, descidas em abismos profundos, momentos de perigo, tensão e suspense. Emoções reais misturadas a uma paisagem assombrosa e deslumbrante das montanhas e cavernas mais antigas do mundo.




O material está a ponto para ser editado, mas ainda depende de fundos para custear o documentário. A organização do projeto, coordenada pelo italiano Francesco Sauro, geólogo pesquisador de Pádova, criou um financiamento coletivo através do site INDIEGO (crowdfunding).


Mais informações em L’Abisso.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Resgate em Inti Machay, nos Andes peruanos

Um acidente ocorrido na quinta-feira, dia 18 de Setembro de 2014 manteve o espeleólogo Cecilio Lopez 12 dias preso em uma caverna na região de Inti Machay, nos Andes peruanos. O incidente causou a fratura de duas vértebras do espeleólogo a cerca de 400m de profundidade vertical na gruta. O isolamento da região, as difíceis condições de acesso e comunicação e a demora na chegada de espeleólogos especializados fizeram dos trabalhos de resgate um desafio custoso, urgente e delicado.

A operação de resgate foi iniciada imediatamente após o incidente pelo grupo Andino de Espeleologia. Espeleólogos peruanos e franceses do GSBM (Grupo de Espeleologia Bagnols Marcoule) estavam em uma região próxima e em pouco tempo foram os primeiros reforços a se juntar a equipe de resgatistas na caverna. Uma forte campanha em busca de recursos e voluntários se iniciou nas redes sociais e os dias seguintes foram marcados por grandes mobilizações. Enquanto equipes de resgate da Espanha embarcavam para o Peru, outros países também se organizaram para oferecer ajuda. Uma equipe de socorristas mexicanos e uma de brasileiros arrumaram as malas e de prontidão aguardavam um pedido oficial de ajuda, bem como as autorizações das autoridades locais para adentrar na região do acidente.

Autoridades do Peru, da França e do Brasil também foram acionadas em busca de apoio em logística e mantimentos. A demora na obtenção de autorizações, de apoio dos governos e de pedido oficial de ajuda do espeleoresgate da Espanha fez com que espeleólgos brasileiros e mexicanos não conseguissem embarcar, mas não impediu que espanhóis se juntassem cada vez em maior número ao grupo de resgate.

A chegada de mais 3 equipes da Espanha fez com que a coordenação do resgate fosse transferida do Peru para a Espanha e os trabalhos começassem a ser realizados em turnos, com mais equipamentos e recursos. Ao todo, mais de 50 espeleólogos especialistas em resgate em cavernas verticais estiveram presente na região do acidente dividindo tarefas de logística, preparação de vias de saída com maca e transporte de Cecílio. Durante todos os dias, um médico acompanhou o espeleólogo acidentado monitorando seu estado de saúde e ministrando medicamento na medida do possível.

No dia 29 de Setembro, a -150m de profundidade, Cecílio escreveu uma carta à família, amigos, socorristas e comunidade espeleológica. A carta envia mensagens de agradecimento e esperança, prevendo uma saída breve.

Hoje, dia 30 de Setembro recebemos a notícia de que Cecílio está fora da caverna e a caminho de Chachapoyas. Uma vez em centro urbano ele poderá receber cuidados médicos mais estruturados e encaminhado de volta para a Espanha.


Informações detalhadas e acompanhamento do dia-a-dia do resgate podem ser acompanhadas no blog EspeleoresgateBrasil.


As fotos abaixo tem como fonte o site da Federação Madrilenha de Espeleologia, com informações sobre o resgate 

Cecilio Lopez
Uma das equipes espanholas de resgate a caminho da caverna.

Croquis da caverna de Intimachay com anotações sobre o resgate.